Por que as coisas existem? Qual a origem da vida? Que diferença o conhecimento faz na vida? Qual o impacto da cultura no nosso dia a dia? Por que simplesmente seguimos pessoas que não conhecemos? Essas e outras questões fazem um número cada vez maior de pessoas buscarem um significado para sua existência, os memes podem estar no centro de tudo, inclusive nesse texto.

Simplesmente as coisas existem por estarem estáveis. Biólogos e químicos acreditam que o surgimento de um ambiente propício para a primeira forma de vida ocorreu a cerca de 3 ou 4 bilhões de anos atrás. E todos os seres vivos são resultados de um processo chamado de seleção natural, que é o principal  legado do naturalista britânico Charles Darwin. Antes do surgimento da vida na Terra, havia uma forma rudimentar de moléculas proveniente de uma série de processos físicos e químicos. Um grupamento de átomos foi formado e organizado na presença de energia, que em uma configuração estável começou a evoluir. A primeira seleção natural se deu pela seleção das formas estáveis e rejeição das instáveis (sopa primordial). É importante ressaltar que essa análise não tem a pretensão de julgar ou confrontar conceitos religiosos que abordam a origem da vida.

O ser humano busca, ao longo de sua existência, explicações para suas inquietações. Essa confusão mental que atinge milhares de pessoas é consequencia da guerra entre memes (cultura) que tentam se alocar em sua mente. Por exemplo, o meme do seu clube de futebol preferido não deixa espaço que outro clube ocupe espaço em sua mente. Isso até pode ocorrer, porém é um processo mais complexo. Dessa forma também acontece com determinadas marcas que consumimos, simplesmente o meme presente em nosso hipocampo (região do cérebro responsável principalmente pela memória) é muito poderoso, o que nos impede de trocá-lo. O mesmo ocorre com questões políticas, são simplesmente memes impregnando mentes a um nível completamente inconsciente. Existem estratégias bem planejadas para se conseguir uma contaminação memética eficiente. Na grande maioria dos casos, os memes que dominam as mentes não contribuem para a qualidade de vida do individuo, mas sim para o benefício de terceiros. O meme do nazismo foi extremamente eficiente (eficiente quer dizer bom replicador e não correto), apesar do horror retratado pela história, o meme foi eficiente em sua replicação e contaminação. Essa é a lógica.

Quem possui mais conhecimento domina quem tem menos conhecimento.

A tendência de quem é preparado é pensar e mandar, quem não tem estudo é mandado e trabalha processando. Países com baixos níveis culturais são facilmente dominados por regimes populistas que não tem interesse em melhorar a educação. Quanto menos educação, mais fácil uma contaminação memética…vide Venezuela, Brasil, países africanos etc…

A cultura pode influenciar no comportamento? Sim, e a evolução cultural ocorre em uma velocidade muito maior que a evolução biológica. Existe uma guerra entre os memes, e a sua mente é o campo de batalha.

Segundo Daniel Dennet (1998), a memética trata a cultura não do ponto de vista dos humanos, mas do ponto de vista da própria cultura. Isto significa tratar a cultura como uma replicadora por conta própria. O raciocínio é que o meme quer ser replicado e não os seres humanos que querem replicá-lo. A grande inovação da memética é o ponto de vista do meme como sujeito principal e não os seres humanos.

A partir dessa nova perspectiva, um meme deve ser visto como uma instrução que busca ser copiada e espalhada como um vírus. E não como um produto criado por um sujeito tentando repassá-lo. Os memes mais comuns são os que mais terão sucesso em ser copiados e espalhados. O que irá garantir esse sucesso é a sua adequação ao ambiente, ou seja a mente humana. Os memes que mais se adequam a estrutura cognitiva humana são os mais aderentes.

A memética é a ciência que estuda como os memes se propagam; é o algoritmo da evolução por seleção natural aplicada diretamente à cultura. Sabe-se que fisiologicamente as pessoas possuem o mesmo cérebro, o que realmente diferencia uma pessoa de outra é a mente de cada um e o seu comportamento. E o que determina comportamentos diferentes é a contaminação memética proveniente do ambiente vivido desde do primeiro dia de nascimento. A experiência de vida é uma constante contaminação memética que reflete nas ações e decisões no presente.

A memética vai muito além da conotação popular do termo meme, embora em algumas ocasiões adote semelhanças biológicas similares em termos de replicação. A mente humana é vulnerável a todo tipo de interferências externas, como educação, cultura, sociedade e família, impondo determinados tipos de comportamentos que nem sempre refletem a dinâmica do indivíduo. A luta pela sobrevivência prevalece tanto no mundo físico quanto no mundo intelectual. Uma ideia é uma forma de pensamento, sua existência depende da capacidade de superar outras teorias que ocupam a mente humana.

Para a memética, os pensamentos passam de pessoa para pessoa similar a uma doença contagiosa. Se uma pessoa for suscetível a tal pensamento, ou seja, se a mente dela for um ambiente favorável par ao meme, a probabilidade de que essa pessoa replique esse pensamento para outras pessoas aumenta.

Meme é a unidade básica de informação que tem o poder de mudar o comportamento humano. ATENÇÃO! não é o meme propagado na internet que estamos acostumados. Trata-se de um tema muito mais complexo.

Para começar os memes cristalizam-se numa parte do cérebro chamada hipocampo, que é responsável pela memória. Estudos recentes indicam que alguns memes apresentam na memória RNA’s e proteínas específicas. O neurocientista Alemão Juan Delius, especialista em memética explicou graficamente a atuação dos memes no cérebro humano.

A cultura exerce um papel fundamental na seleção natural atuando sob uma ótica darwiniana. Os memes seguem a mesma lógica de sobrevivência dos genes defendida por Charles Darwin, ou seja, há dois objetivos principais: sobrevivência e reprodução. Para efeito didático, no caso dos memes, pode-se definir a reprodução como replicação, pois conseguem duplicar-se ou manter-se durante vários anos, décadas, séculos, são extremamente fortes e contaminam a mente das pessoas de forma muito intensa. Memes estão relacionados à sobrevivência e o sexo atingem diretamente a mente inconsciente dos indivíduos. Não necessariamente os memes fortes e bem-sucedidos em sua propagação contribuem para uma melhor qualidade de vida, pois direcionam o comportamento do indivíduo em favor de terceiros.

O sexo atinge diretamente a mente inconsciente dos indivíduos.

Conhecimento de qualidade é adquirido através de memes de qualidade. A contaminação memética e a herança genética influenciam no comportamento dos seres humanos e que possíveis alterações no funcionamento dos genes podem ocorrer mediante impacto do meio externo, chamados processos epigenéticos.

Não temos como escapar de alguma contaminação memética, a cultura faz parte da vida e é necessária para a sobrevivência. Podemos decidir que tipos de memes queremos estar expostos e que irão direcionar nossas ações. Tenho observado que o investimento em educação, viagens e cultura torna o indivíduo mais livre e em melhores condições de decidirem que caminho desejam tomar.

Deixe uma resposta