Um intrigante número de pessoas chatas sem conteúdo tem aparecido em número cada vez maior. Na realidade sempre existiram, mas observo que a quantidade tem se proliferado a uma velocidade enorme. Acho que a facilidade de informação superficial disponível na internet, o comodismo e satisfação geral do povo são as maiores causas. Mas sempre tento vincular tudo isso a um embasamento científico onde a neurocência aplicada ao comportamento pode provocar uma reflexão a respeito do assunto.

Dana Zohar estudou física e filosofia no Massachusetts Institute of Technology (MIT) com Pós-graduação em Harvard University em psicologia e teologia, ela explica que o homem nasce com um certo número de neurônios e perde muitos deles ao longo de sua vida. Um aposentado tem menos neurônios que um bebê. No entanto, durante a vida, o homem cria novas conexões neurais – ou, pelo menos, tem a capacidade de assim fazer. Cria novas sinapses, novas redes neurais provenientes de experiências e situações. Reciprocamente, sistemas neurais pouco usados encolhem, desaparecem ou são cooptados para outras finalidades.

Neurociência aplicada ao comportamento!

Isso é muito comum, poderemos comparar o cérebro como se fossem músculos. Se são usados, forçados, provocados, desenvolvem e crescem formando mais fibras musculares que podem ser facilmente percebidas visualmente com o aumento de seu volume. Com o cérebro, acontece parecido. Ao parar de ser utilizado, não há novas conexões neurais, não há novas sinapses, ou novas experiências. A mente fica presa em uma rotina, sem ânimo para desenvolver-se, ou querer novas situações, riscos, desafios e experiências. Torna-se uma mente aprisionada na preguiça, nesse estágio não há resultados positivos, sucesso e felicidade na vida. É um círculo vicioso que também é facilmente percebido, pois o resultado é a diminuição da inteligência social. Há afastamento natural das pessoas e um isolamento social preocupante. Essas pessoas são facilmente dominadas por memes prejudiciais em benefício de terceiros. Reverter esse processo é bastante complicado.

As conexões neurais dão inteligência ao homem, elas aparecem com o tempo: pela experiência com o mundo e através do desenvolvimento intelectual (veja mais). Quanto mais diversificada a experiência com o mundo mais sinapses e conexões irão surgir. Por isso comprar livros e viajar são duas das mais recomendadas ações para aumentar sua inteligência.

Segundo a neurociência, quanto mais diversificada a experiência com o mundo mais sinapses e conexões irão surgir

Biologicamente o cérebro desenvolve-se por completo por volta dos 22 ou 23 anos, a partir daí as novas conexões serão geradas quase que exclusivamente pelas experiências e situações que forem submetidas no mundo. A cultura é um ambiente extremamente instável, há imprevisibilidade, ambiguidades e muitas incertezas no mundo. Seguramente a rede neural formada até os 22 anos não é suficiente para administrar tudo isso. Portanto, o que escolhemos consumir de informação (cultura) moldará inteiramente nossas sinapses que serão desenvolvidas ao longo de nossas vidas.

Ler e viajar faz bem em qualquer estágio da vida e não tem contra indicações, experimente!!!

 

Deixe uma resposta